Mais de 3,6 milhões de meninos serão imunizados contra HPV

1

Região Sudeste vai receber maior número de amostras. Brasil é pioneiro na América Latina a estender vacinação a meninos

O Ministério da Saúde pretende imunizar mais de 3,6 milhões de meninos contra o HPV em 2017. No total, cerca de 3,6 milhões de doses serão destinadas a meninos entre 12 e 13 anos, e outras 99,5 mil, para crianças e jovens de 9 a 26 anos vivendo com HIV/aids.

A meta faz parte do programa nacional de imunização da pasta, atualizado na última terça-feira (11), quando foi anunciado que as doses da vacina também seriam ministradas em rapazes.

A maior parte das doses deve ser encaminhada para a Região Sudeste: 1,4 milhão de vacinas. Em seguida, vem o Nordeste, onde serão disponibilizadas 1,1 milhão de doses. O estado que receberá o maior lote é São Paulo, onde serão entregues 735 mil vacinas – 700,2 mil para meninos de 12 e 13 anos, mais 35,5 mil para jovens entre 9 e 26 anos vivendo com HIV/Aids.

Ação integrada

A partir de janeiro do próximo ano, o Ministério da Saúde passa a disponibilizar a vacina contra o HPV na rotina do Calendário Nacional de Vacinação do Sistema Único de Saúde (SUS).

“A inclusão dos adolescentes faz parte de um conjunto de ações integradas que o Ministério da Saúde tem realizado com o objetivo de conseguir mais resultados com os recursos financeiros já disponíveis. A ampliação da vacina é mais um avanço que conseguimos fazer, aproveitando essa redução de doses no grupo das meninas para ampliar a oferta também para os meninos. É muito importante a inclusão dessa faixa-etária. Precisamos estimular essa faixa a participar das mobilizações para vacinação”, destacou o ministro Ricardo Barros.

Para o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Adeilson Cavalcante, essa ação mostra a importância do Calendário Nacional de Vacinação para reduzir as doenças imunopreveníveis. “A ampliação do acesso à vacinação, que é uma ação da atenção básica, pode impactar na alta complexidade, com a redução dos casos de câncer. Além disso, essa estratégia vem ao encontro da decisão de tornar a gestão mais eficiente e fazer mais com os mesmos recursos”, ressaltou.

Oferta

O esquema vacinal para os meninos contra HPV será dividido em duas doses, com seis meses de intervalo entre elas. Para os que vivem com HIV, a faixa etária é mais ampla (9 a 26 anos) e o esquema vacinal é de três doses (intervalo de 0, 2 e 6 meses). No caso dos portadores de HIV, é necessário apresentar prescrição médica.

O Brasil será o primeiro país da América do Sul e o sétimo do mundo a adotar a medida. Atualmente, a vacina HPV para meninos é utilizada como estratégia de saúde pública em seis países (Estados Unidos, Austrália, Áustria, Israel, Porto Rico e Panamá). Portanto, o Brasil assegura a sétima posição e a vanguarda na América do Sul. A vacina é totalmente segura e aprovada pelo Conselho Consultivo Global sobre Segurança de Vacinas da Organização Mundial de Saúde (OMS).

A estratégia tem como objetivo proteger contra os cânceres de pênis, garganta e ânus, doenças que estão diretamente relacionadas ao HPV. A definição da faixa-etária para a vacinação visa proteger as crianças antes do início da vida sexual e, portanto, antes do contato com o vírus.

A vacina disponibilizada para os meninos será a quadrivalente, que já é oferecida desde 2014 pelo SUS para as meninas. Confere proteção contra quatro subtipos do vírus HPV (6, 11, 16 e 18), com 98% de eficácia para quem segue corretamente o esquema vacinal. Vale ressaltar que os cânceres de garganta e de boca são o 6º tipo de câncer no mundo, com 400 mil casos ao ano e 230 mil mortes. Além disso, mais de 90% dos casos de câncer anal são atribuíveis à infecção pelo HPV.

Fonte: Portal Brasil, com informações do Ministério da Saúde

Surely, due to the extreme complexity of the modern songwriting industry, the first stages of the songwriting process may confuse many beginners who wish to test their https://writemypaper4me.org/ skills and achieve success and popularity.